domingo, março 24, 2013

prova de vida

Fui convocado para fazer "prova de vida" pelo INSS. Sim! A mensagem chegou em uma tela da internet quanto fiz o acesso á minha conta. A mensagem do INSS pedindo para que eu comprove que estou vivo aparece também nos terminais de auto-atendimento.

Como "Os justos pagarão pelos pecadores," deve estar correto que isso seja pedido. Afinal, temos ouvido falar tanto de pagamentos do beneficio para quem já morreu. E neste caso, me parece que não é realmente devido. O benefício é vitalicio! O fato de acreditar que "a vida é eterna!" não deve fazer a minima diferença neste caso.

Ainda como os "Justos pagando pelos Pecadores", observamos a inversão do "Ônus da Prova"! Vivo até prova em contrário.

"Sob ameaça!" de ter o pagamento do benefício suspenso, vou tentar "provar que estou vivo!"

O processo implementado para tanto fede! Seria muito mais razoável que o evento (óbito) acionasse os procedimentos cabíveis. Afinal, o óbito é um evento médico de "declaração compulsória", não é?? Com todo a burocracia que segue o óbito, ainda assim ficou faltando uma "ficha amarela" para alguém??

Documentos em mãos, me dirijo a uma agencia do banco conforme orientações da mensagem do INSS! A gerente da agencia me recebe gentilmente, de depois de pensar um pouco, se lembra que o procedimento de "prova de vida" se faz é no caixa! Grato pelo gentileza da gerente,  me dirijo para a fila dos caixas, ainda sem ter conseguindo provar vida, mas orientado.

No caixa, sou perguntado se tenho os meus documentos em mãos. Antes mesmo que eu possa responder, o caixa descobre que "está dando DAC inválido!" Opa... alem de ter de provar que estou vivo, parece  que do DAC precisa ser válido. Me perguntam é nessa conta que eu recebo o benefício! Reafirmo que sim, mas em caso de duvida, sugiro que se tire um extrato dos movimentos, se o laçamento estiver lá, teremos uma boa indicação de que a conta está correta.

A minha sugestão é aceita e acho que para provar melhor que estou vivo, o caixa me orienta para ir até o terminal de auto-atendimento e faça um extrato! Se ele visse o extrato no  seu terminal, ele perderia a oportunidade de me ver andando.... Deve ser isso!

Bom.... lembrei da minha senha (mais uma prova de vida), retirei o extrato, conferi que o lançamento de pagamento do beneficio está lá. E de forma autônoma, retorno à fila do caixa.

O caixa (um outro) tenta novamente provar que estou vivo "ao sistema"! Não conseguiu novamente por DAC Inválido! Que raios será um DAC inválido. Depois de alguma conferencia, em que os meus documentos somem e reaparecem algumas vezes pelos meandros da agencia, sou finalmente orientado a procurar o meu gerente na agencia em que tenho conta.

Bom.... vou deixar isso para um outro dia... continuarei esta história oportunamente. Se estiver vivo!

Bom. Continuando com  a minha saga, fui à minha agencia esta manha. Realmente, não entendo qual seria a diferença entre a minha agencia ou qualquer outra agencia da rede. A propaganda sem disse que em qualquer agencia da rede teríamos todos os serviços. Bom parece não ser bem assim, hoje, vi dos serviços em que isso parece não ser a realidade. A prova de vida e a devolução de cheques. Sim, isso ainda existe, mas seguramente os serviços continuam os mesmos. O cheque tinha sido devolvido, constava de uma caixinha de madeira no caixa (carbonico), por meses, e ficaria lá se eu, por acaso não o procurasse.

Quanto à prova de vida, me foi dito que ainda não está aparecendo no sistema. Claro, se não aparece no sistema não consigo provar que estou vivo. Mas, que eu não me preocupasse pois teriamos até julho de 2013, para tomar as providencias cabíveis. Continuamos com a faca no pescoço com a ameaça de suspensão dos pagamentos de benefício.

Desta forma, continuo sem conseguir dar prova de minha vida.

ET: Finalmente, entrando novamente no ciclo anual, consegui a minha primeira prova de vida.  (2013-03-19)

4 comentários:

Eli Imai de Oliveira disse...

É Osvaldo a situação parece ainda pior para quem é procurador de uma pessoa que não tem possibilidades de locomover-se até a agencia. Meu pai mora fora do país e não tem como vir ao Brasil e o banco simplesmente não tem outra opção para pessoas como meu pai.

Osvaldo Yasuda disse...

é Eli, realmente a coisa é bem triste. O negócio é perseverar.... a luta continua.

Jose Silva disse...

Será que as agencias não poderiam adoter um bafômetro, poderia até provar que estamos vivos, mas se estívessemos bêbados ai sim a punição com a suspensão do benefício, seria certo!

Jose Silva disse...

Será que as agencias não poderiam adoter um bafômetro, poderia até provar que estamos vivos, mas se estívessemos bêbados ai sim a punição com a suspensão do benefício, seria certo!